SEP-Site

SEP Helping Team

[PT]
O Student Exchange Programme (SEP) é o maior projeto da IPSF, em que é possível aos estudantes  realizar estágios extracurriculares internacionais, nas mais diversas áreas farmacêuticas. Para além de poder estagiar num país estrangeiro, este programa possibilita os estudantes de poderem conhecer o país onde se encontram a fazer SEP.
Com isto, o Departamento de Relações Internacionais (DRI) traz até ti a SEP Helping Team. Esta equipa foi criada com o principal objetivo de ajudar os estudantes que escolheram a nossa cidade para a sua experiência SEP, durante o verão.
De entre as funções dos membros da SEP Helping Team, destacam-se:
– Ir buscar os estudantes ao Aeroporto, no dia de chegada;
– Acompanhar os estudantes às residências, no dia de chegada;
– Acompanhar os estudantes ao seu local de estágio, no primeiro dia;
– Auxiliar na organização das atividades de cariz social e cultural;
– Participar e interagir com os estudantes;
– Deixar os estudantes no Aeroporto, no dia de partida.
Se sempre te interessaste por conhecer novas e diferentes culturas, não percas esta oportunidade e junta-te ao Mundo Internacional! Relembramos que não é obrigatório ter disponibilidade total para o período total do SEP.
Podes candidatar-te aqui. Tens até às 23h59 do dia 10 de maio para o fazer.
Qualquer questão adicional, não hesites em entrar em connosco através do seguinte endereço eletrónico: leo@aefful.pt
[EN]
The Student Exchange Programme (SEP) is the biggest IPSF Project, which allows students to undertake international internships, in a wide range of Pharmaceutical areas. Besides allowing to take an internship in a foreign country, this programme also enables students to explore the country where they are doing SEP.
Thus, the Department of International Relations brings you the SEP Helping Team. This team was created with the main purpose of helping the students who chose our city for their SEP experience, during the summer.
Among the functions of the SEP Helping Team members are:
– Pick the students up at the airport on the arrival day.
– Take the students to the dorms on the arrival day;
– Take the students to their internship place on the first day;
– Assist in the organization of social and cultural activities;
– Interact with the students;
– Drop the students off at the Airport on the departure day.
If you have always been interested in getting to know new and different cultures, do not miss this opportunity and join the International World! We remind you that it is not mandatory to have total availability for the entire period of the SEP.
You can apply here. You have until the 10th of May, 23:59 GMT, to do so.
If you have any further question, do not hesitate to reach us out through the following e-mail: leo@aefful.pt
Eutanásia

Eutanásia: Um Tema Fraturante da Sociedade

Por: Nídia Matias 

          A palavra “eutanásia” tem origem no grego, significando “boa morte” e, segundo o portal eletrónico dos dicionários da Porto Editora, consiste “na intervenção feita por alguém em favor da vontade expressa de um indivíduo afetado por doença dolorosa sem perspetiva de cura, com vista à antecipação da sua morte, da forma menos dolorosa possível”.

       Em Portugal, a despenalização da eutanásia parece ter vindo a tornar-se uma questão fraturante. A polémica relativamente a este tema tem aumentado, já que parecem ser postos em causa valores que até há pouco tempo eram considerados irrefutáveis. Se por um lado se faz sentir “a pressão” da legalização da eutanásia em alguns países europeus como a Holanda ou a Bélgica bem como as mudanças de mentalidade e liberalização de pensamento, por outro, este tema ainda não é consensual no nosso país, sendo alvo de debate. De facto, a discussão deste assunto parece até ter vindo a ser amplificada, em grande parte associada à apresentação dos projetos de diferentes partidos, no Parlamento, relativos à morte medicamente assistida.

       Dos principais movimentos em Portugal relativos à eutanásia, destacam-se os seguintes: “Direito a Morrer com Dignidade” e “STOP Eutanásia”. O primeiro manifesto expressa que “o direito à vida faz parte do património ético da civilização humana e, como tal, está consagrado nas leis da República Portuguesa”, pelo que “o direito a morrer em paz e de acordo com os critérios de dignidade que cada um construiu ao longo da sua vida, também tem de o ser”. Para além disto, indica ainda que a eutanásia tem de ser “efetuada por médico ou sob a sua orientação e supervisão”. Aqui temos um dos principais conflitos com o “STOP Eutanásia”, dado que, o médico, “ao oferecer a morte” está a ir contra o seu código deontológico. Este movimento entende ainda que “garantir a dignidade de uma pessoa, oferecendo-lhe a morte, é uma derrota da humanidade”. Assim, defende a prestação dos cuidados paliativos, como alternativa à eutanásia, considerando que “os cuidados paliativos são tratamentos, previnem e aliviam os sofrimentos enquanto que, a eutanásia, visa acelerar a morte intencionalmente e nunca será um tratamento”.

       É evidente que a emissão de pareceres e opiniões sobre esta matéria, com o devido fundamento, é altamente relevante. Apesar da aprovação da eutanásia ter de passar pelo crivo da Assembleia da República e por fim ser ratificada pelo Presidente da República, é importante que cada um de nós reflita sobre este assunto, construindo a sua opinião como indivíduo integrante de uma sociedade democrática. No entanto, esse juízo deverá ser efetuado com clareza, de forma consciente e assente em argumentos válidos.

       No meu ponto de vista, a eutanásia deveria ser despenalizada. Sou a favor da legalização da morte assistida, perante parâmetros restritos que permitam evitar a banalização desta prática. Sabemos que a autonomia do doente deve ser respeitada bem como a sua vontade. Se os médicos já o fazem, ao aceitar a recusa de certos doentes relativamente à administração de sangue e hemoderivados por que motivo não aceitam o pedido da eutanásia? Note-se que a recusa deste tratamento que refiro acima poderá culminar na morte do doente, pela inexistência de terapêuticas alternativas. Estamos perante uma diferença de atitudes relativamente a ações que acabam por levar a um mesmo resultado. Por outro lado, se é função do médico acompanhar o doente, a recusa do pedido de morte assistida não se traduz no abandono do doente? Claro que temos à disposição cuidados paliativos e que estes serão fornecidos caso seja essa a vontade do doente. Mas a realidade é que este tipo de cuidados não resolve por completo o sofrimento nem a degradação física e psicológica dos enfermos.

       É verdade que temos direito à vida. Mas teremos obrigação de a viver de uma forma que consideramos não ser digna? Relembro que vivemos numa sociedade democrática. Por que não se pode ter o direito a morrer?

       Em suma, creio que, à semelhança de outros países, deveríamos acompanhar a evolução da mentalidade e da consciência que caracteriza o século XXI e progredir no sentido de criar condições que permitam a despenalização e regulamentação da eutanásia. Contudo, é importante realçar que a morte assistida não tem como propósito tornar-se obrigatória. Tem sim o intuito de dar o direito de opção ao doente que pretende colocar um fim ao seu sofrimento, de forma digna e legítima.

cron-ICAS site (1)

Crón-ICAS: Ser Solidário

cron-ICAS folha (1)-min

Horizontal image su1

21st EPSA Summer University 2019

[PT]

Está se a aproximar o próximo congresso da European Pharmaceutical Students’ Association (EPSA) para o qual te podes inscrever! É a 21st EPSA Summer University 2019 que decorrerá entre os dias 16 e 21 de Julho na lindíssima vila turística de Portorož, na costa da Eslovénia. Esta edição terá como tema “Joining forces with other professionals for better healthcare”. Existirão 2 períodos de inscrição, o primeiro de 3 de Maio a 3 de Junho, com um preço de 230€, e um segundo período de 4 de Junho a 24 de Junho com um preço de 260€. O valor de inscrição inclui alojamento, alimentação, programa educacional e programa sócio-cultural.

Não percas esta oportunidade de expandir o teu conhecimento através do programa educacional e cultural e criar novas memórias e divertir-te bastante enquanto conheces pessoas novas, vilas eslovenas e experimentas os sabores do Mediterrâneo!

Vê o video teaser aqui.

Sabe mais sobre este evento neste link.

Caso tenhas alguma dúvida ou pretendas entrar “no mundo internacional” contacta-nos através do endereço ls@aefful.pt.

[EN]

The next EPSA event where you can participate e fastly approaching! Its the 21st EPSA Summer University 2019, that will happen between the 16th and 21st of July in the beautiful touristic village of Portorož in Slovenia. This year the main topic is “Joining forces with other professionals for better healthcare”. There will be two registration periods, the first from the 3rd of May to the 3rd of June, with a fee of 230€, and the second from the 4th to the 24th of June, with a fee of 260€. The congress fee includes accommodation, food, educational program and social program.

Take this chance to expand your knowledge through the educational and cultural program, make good memories and enjoy yourself while meeting new people, visit coastal towns of Slovenia and try the flavours of the Mediterranean!

Watch the teaser vídeo here.

Know more about the event in this link.

Any other questions about this congress or other international activities ask us through: ls@aefful.pt

Volta ao Mundo no Dia da Páscoa

Volta ao Mundo no Dia da Páscoa

Por: Mafalda Galveia e Diana Lopes

Celebrações da Páscoa: Em Portugal, as tradições da Páscoa são evidentes por todo o país. Os ovos, os coelhos de Páscoa, os folares, o pão e o vinho já são habituais. À mesa estão amêndoas, os doces, os licores e o cabrito ou o borrego. As pessoas aproveitam para ir visitar as famílias que estão longe. Apesar de a Páscoa ser celebrada em todo o mundo e existirem tradições em comum, cada país, cultura e povo tem a sua própria forma de a viver.

Alemanha FinalissimoAústria Finalissimo (1)Suiça FinalissimoBulgária FinalissimoEUA FinalissimoSuécia FinalissimoFinlandia FinalissimoBélgica FinalissimoFrança Finalissimoaustralia FinalissimoIndia Finalissimo
inglaterra finalissimo
China Finalissimopolonia Finalissimoetiópia Finalissimo (1)escocia Finalissimolituania FinalissimoitaliaFinalissimoroménia Finalissimogrécia Finalissimoetiópia Finalissimolibano Finalissimo (1)

Parkinson

Parkinson: Doença do Passado ou Doença com Futuro?

Por: Carolina Rocha

 

Dia 11 de Abril celebra-se o Dia Mundial da Doença de Parkinson. Mas afinal, em que consiste esta doença e de que modo afeta os seus portadores?

 

A Doença

A Doença de Parkinson (DP) é uma perturbação cerebral que recebeu o seu nome em memória do médico inglês que a descreveu no séc. XIX. É definida pela presença de tremores, rigidez no tronco e dos membros e lentidão dos movimentos. A sua prevalência aumenta com a idade, sendo rara antes dos 50 anos e mais comum nos homens que nas mulheres.

Estima-se que esta doença afete cerca de 20 mil portugueses, sendo registados por ano mais de 1800 novos casos. À escala mundial, considera-se que existem entre 7 e 10 milhões de pessoas que vivem com esta patologia e prevê-se que, com o aumento da longevidade da população, a prevalência desta doença aumente nas próximas décadas.

 

Causas

O conjunto de manifestações da DP deve-se à perda de células numa estrutura do cérebro designada Substantia nigra, que é responsável por enviar um neurotransmissor, a dopamina, para uma estrutura próxima, o estriado, através dos prolongamentos das suas células.

A doença resulta então da redução dos níveis de dopamina como consequência da morte das células cerebrais que a produzem e é necessário que ocorra a morte pelo menos 70% das células para que os sintomas da DP se manifestem.  Atualmente, sabe-se que a acumulação da proteína alfa-sinucleína é a responsável pela morte dos neurónios, existindo várias teorias que procuram explicar este mecanismo.

Nas últimas décadas, a Doença de Parkinson tem sido investigada intensivamente, no entanto a sua causa concreta continua ainda desconhecida. A hipótese mais consensual é que esta seja causada por um conjunto de vários fatores, tais como: a história familiar, o envelhecimento e a exposição a pesticidas ou toxinas industriais.

A atual revolução na área da genética está a desempenhar um papel cada vez mais importante na compreensão da doença, revelando que existem dezenas de mutações e variantes da mesma.

 

Manifestações

Uma vez que a dopamina controla a atividade muscular, os sintomas desta doença relacionam-se essencialmente com os movimentos.
A manifestação inicial da Doença de Parkinson é, de um modo geral, um tremor ligeiro numa extremidade quando a mesma está em repouso e geralmente melhora quando o paciente move voluntariamente a zona afetada. À medida que a doença progride, o tremor torna-se mais difuso podendo afetar várias extremidades e até os músculos da face.

A depressão ou ansiedade são frequentes nos pacientes com DP, bem como as perturbações da memória, podendo ainda ocorrer dificuldades visuais, incontinência urinária, alterações na sexualidade, cãibras e dificuldades de mastigação e deglutição. Todos estes sintomas tornam esta doença bastante incapacitante, podendo tornar o paciente dependente de um cuidador.

 

Diagnóstico

O diagnóstico da Doença de Parkinson depende da história clínica e da avaliação neurológica, pois ainda não existe um marcador biológico da doença que possa ser avaliado num teste laboratorial. Perante um quadro sugestivo de DP, realiza-se, por norma, um teste de estimulação com levodopa, sendo que se os sintomas melhorarem durante o mesmo, a probabilidade de se estar perante Doença de Parkinson é elevada.

 

Terapêutica

Embora não exista cura, os sintomas podem ser controlados através de diversos tipos de medicamentos. Os mais comuns estimulam a libertação de dopamina, desde que ainda existam células cerebrais produtoras deste neurotransmissor.

Quando tal não é possível, recorre-se a outro tipo de medicamentos, como a levodopa que alcança o cérebro, transformando-se em dopamina (já que a dopamina tomada oralmente não alcança o cérebro pois não atravessa a barreira hematoencefálica). A eficácia deste tratamento vai-se perdendo ao longo do tempo, tão mais rapidamente quanto maior a dose prescrita, devendo-se por isso adiar o início da terapêutica o mais possível, recorrendo, em alternativa aos fármacos agonistas da dopamina. São alguns exemplos deste grupo: a bromocriptina, o pergolide e o ropinirole. Estes fármacos controlam os sintomas estimulando as células sobreviventes da substantia nigra que passam a funcionar mais activamente.
São igualmente importantes medidas não farmacológicas, tais como: a prática regular de exercício físico e uma dieta equilibrada que permitem a manter a qualidade vida e melhorar o controlo corporal.

 

Futuro

Apesar dos avanços conseguidos, há ainda um longo caminho a percorrer e diariamente muitos investigadores dedicam o seu tempo à pesquisa de novas terapêuticas.

 

Brevemente: Existem bastantes fármacos já em ensaios clínicos que, para além de oferecerem alívio sintomático, podem ser um ponto de viragem no paradigma desta doença. Além disto estão também a ser testadas técnicas de neuromodulação que recorrem ao uso de ímans para enviar um campo elétrico para zonas alvo do cérebro.

 

Terapias no horizonte: No período de 5 a 10 anos podemos estar perante tratamentos revolucionários para esta doença. É um exemplo disso a imunoterapia, na qual se pensa poder usar-se o sistema imunitário para impedir que a alfa-sinucleína se agregue, atenuando ainda as reações inflamatórias naturais que possam danificar os neurónios.

A farmacogenética e a terapia com células estaminais, que permitirão criar medicamentos personalizados para a patologia de cada doente, estão também a ser estudadas para este fim.

 

Tratamentos do futuro: Daqui a mais de 10 anos, certos tratamentos completamente inovadores podem ser uma realidade, como é o caso da Programação Direta, que poderá ser a solução para o problema da neurodegeneração, permitindo mudar tipos de células em organismos vivos. Por exemplo, num doente com DP será possível reprogramar outras células saudáveis da área afetada e transformá-las diretamente em células produtoras de dopamina.

 

É possível concluir que apesar da Doença de Parkinson ter sido descrita pela primeira vez há mais de 200 anos, não se trata de uma doença do passado, e há inúmeros esforços a serem feitos para desenvolver novos tratamentos que tragam aos portadores desta doença uma nova esperança e uma melhor qualidade de vida.

 

 

webinarsite7

Webinar – Farmacêuticos pelo Mundo

O Departamento de Relações Internacionais (DRI) da AEFFUL traz até ti o Webinar “Farmacêuticos pelo Mundo”.

Esta atividade tem como objetivo mostrar qual o papel do Farmacêutico num contexto internacional. Neste evento teremos como oradores antigos estudantes, que já tiveram a oportunidade de trabalhar no estrangeiro e que irão partilhar contigo um pouco do seu percurso académico e profissional.

O DRI acredita que, ao proporcionar a oportunidade de ouvir alguns destes testemunhos, poderás perceber o quão vantajoso e enriquecedor pode ser participar em projetos e atividades de cariz internacional.

Acreditamos ainda que esta seja uma forma de ficares a conhecer melhor as experiências internacionais nas quais te podes envolver, como eventos e programas da European Pharmaceutical Students’ Association (EPSA), da International Pharmaceutical Students’ Federation (IPSF) ou ainda o programa ERASMUS +.

Este Webinar irá realizar-se online, através da plataforma Adobe Connect, tendo a duração de 1h30.

A atividade será dia 29 de Abril, às 19h, não tendo qualquer custo associado.

Podes inscrever-te através do seguinte formulário.

O programa será disponibilizado brevemente.

Contamos com a tua presença!

Qualquer questão adicional, não hesites em entrar em contacto connosco através dos e-mails: ls@aefful.pt e cp@aefful.pt.

 

The Department of International Relations (DRI) of AEFFUL is happy to bring you the Pharmacists around the World Webinar.

This activity has the purpose to show what is the role of a Pharmacist in an international context. In this event, we will have as speakers former students, who have already had the opportunity to work abroad and that will share a little bit of their academic and professional career with you.

The Department of International Relations believes that, by providing the opportunity to listen to some of these testimonies, you will be able to realize how beneficial and enriching can be to participate in international projects and activities.

We also believe this is a great way for you to learn more about some of the international experiences in which you can get involved, like events and programmes from the European Pharmaceutical Students’ Association (EPSA), the International Pharmaceutical Students’ Federation (IPSF), and also the ERASMUS+ Programme.

This Webinar will be online, trought the platform Adobe Connet, and it´s expected to last an 1h30.

The activity will be held on the 29th of April, at 7 pm GMT+0, with no cost associated.

You can register in this link.

The program will be released soon.

We are counting on you!

If you have any further question, do not hesitate to contact us through the following e-mails: ls@aefful.pt and cp@aefful.pt.

 

Site BT

Business Talks

O Departamento de Formação e Integração Profissional (DFIP) da AEFFUL tem o prazer de apresentar a primeira edição de uma nova atividade, a Business Talks.

A Business Talks é uma atividade que surge de modo a proporcionar aos Estudantes um contacto com a realidade profissional, em três vertentes principais: uma vertente empresarial, transversal a qualquer setor, uma vertente directamente ligada ao Setor Farmacêutico, e uma última mais próxima de nós, Estudantes, pelos olhos de quem ingressou recentemente no mercado de trabalho.

Neste sentido, o DFIP organizou para ti uma tarde constituída por 3 sessões diferentes, que abordam estas temáticas, sendo que a última sessão terá o formato de mesa redonda, onde poderás contar com testemunhos de farmacêuticos empregados nas diversas áreas do nosso setor.

Esta atividade realizar-se-á no dia 23 de abril, pelas 14h no Auditório Maria Odette Santos-Ferreira.

Podes garantir a tua presença preenchendo este formulário de inscrição até dia 20 de abril.

Preços:

  • Sócios Efetivos: 3€
  • Sócio Não Efetivos: 5€

Consulta aqui o programa da atividade.

Qualquer dúvida contacta-nos através do endereço dfip@aefful.pt

imagem site 2

Colheitas de Sangue Abril 2019

O Departamento de Informação, Promoção e Educação para a Saúde (DIPES) da  Associação dos Estudantes da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (AEFFUL), em colaboração com o Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), convida toda a comunidade da FFULisboa a participar nas Colheitas de Sangue.

Esta atividade terá lugar na sala A.3.4 no dia 8 de abril entre as 15h00 e as 19h00.

Os litros de sangue doados entram ainda para um Concurso Nacional e Mundial, conhecido como Vampire Cup, que é organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF)  e pela International Pharmaceutical  Students Federation (IPSF), respetivamente. Este concurso determina a Faculdade que obtém, em litros, a maior quantidade de dádivas.

A AEFFUL reforça assim a importância da dádiva de sangue e o quão importante é o contributo de cada um. Uma doação pode salvar até 4 pessoas pelo que está nas nossas mãos ajudar.

Para mais informações, não hesites em contactar-nos pessoalmente ou através do contacto dipes@aefful.pt.

56823263_439751070130829_4813010931095175168_n

Humanitarian Mobility Project

[PT]

Gostarias de participar num Projecto de Voluntariado Internacional e ajudar crianças num campo de refugiados na Grécia? A EPSA – European Pharmaceutical Students’ Association tem candidaturas abertas até ao dia 8 de Abril para o Humanitarian Mobility Project, em parceria com a Happy Caravan.

Durante o projeto, os voluntários serão capazes de ensinar às crianças Ciências e Inglês, bem como ajudar a organização. O conteúdo educacional será preparado com a ajuda do EPSA Educational Department e os participantes serão informados antes do projeto sobre os workshops para que tenham tempo suficiente para se preparar. Além dos workshops, os participantes serão responsáveis também pelas tarefas regulares dos Voluntários da Happy Caravan.

Haverá dois passos durante o processo de candidatura: Primeiro, a EPSA analisará as candidaturas com base na motivação e na experiência dos candidatos. Depois disso, os pedidos serão enviados para a Happy Caravan e será decidida, em conjunto, a lista final. Serão enviados no máximo 5 voluntários. Os participantes têm que doar pelo menos 200 euros e este processo será realizado pela Happy Caravan. A doação incluirá apenas alojamento e transporte (entre o acampamento e o local de alojamento).

Consulta aqui o Volunteer Handbook e sabe mais sobre este projeto aqui.

Poderás te inscrever neste projeto através deste formulário.

[EN]

Would you like to take part in an International Volunteering Project and help children in a refugee camp in Greece? EPSA – European Pharmaceutical Students’ Association has applications open until the 8th of April for the Humanitarian Mobility Project, in partnership with Happy Caravan.

During the project, volunteers will be able to teach children Science and English as well as help the organization. The educational content will be prepared with the help of the Education Department and we will inform participants before the project about their workshops so they will have enough time to prepare their workshops.

There will be two steps in the apliction; first EPSA will review applications based on applicants’ motivation and experiences. After that, we will send applications to Happy Caravan and  we will decide on the final list together. We can send maximum 5 volunteers. Participants need to donate at least 200 Euros and this process will be carried out by Happy Caravan. The donation will include only accommodation and transportation (between the camp and the accommodation place).

You can check the Volunteer Handbook here at the website and go to this link to know more about this project.

You can apply for this project through this form.