Let’s Talk About Numbers: Antibióticos

Por: Mafalda Galveia

A comemoração do Dia Europeu do Antibiótico, dia 18 de novembro, visa promover uma utilização adequada dos antibióticos, informando acerca dos riscos da automedicação. O principal objetivo é chamar a atenção para o alarmante aumento da resistência aos antibióticos, contribuindo para a diminuição da resistência das bactérias e promovendo um consumo consciente e seguro.

 

De acordo com a DGS:

 

390 000 na Europa e 10 000 000 no mundo

Projeções internacionais para o ano de 2050 estimam que, se nada for feito mais efetivo do que até agora, morrerão anualmente cerca de 390 mil pessoas na Europa e 10 milhões em todo o mundo, em consequência direta das resistências aos antimicrobianos.

 

60%, 50% e 20%

Portugal tem evoluído de forma favorável no consumo de antibióticos. No entanto, é um dos países europeus com maior desconhecimento sobre a sua ação: 60% dos portugueses pensam que os antibióticos atuam sobre os vírus e 50% que servem para tratar constipações e gripe. Apenas 20% receberam informação nos últimos 12 meses sobre este assunto (muito abaixo da média europeia).

 

8 500 000 de embalagens de antibióticos

Em Portugal, embora o consumo de antibióticos tenha descido 4% entre outubro de 2015 e setembro de 2016, ainda registou vendas de cerca 8,5 milhões de embalagens de antibióticos em farmácias.

 

41% das vendas são da subclasse de penicilinas

A venda destes medicamentos ascendeu aos 61 milhões de euros, abaixo dos 65 milhões de euros registados no ano anterior. A subclasse de penicilinas de largo espectro continua a liderar o consumo de antibióticos, representando no último ano 41% das vendas em valor deste medicamento.

 

1 pessoa a cada 3 segundos

A resistência aos antibióticos poderá vir a matar em 2050 mais 10 milhões de pessoas por ano, ou seja, 1 pessoa a cada 3 segundos, face ao que acontece atualmente. É necessária uma mudança drástica na maneira de utilizar os antibióticos, cujo consumo excessivo e má utilização favorecem a resistência das “super bactérias”.

 

Todas as pessoas

A primeira investigação sobre a resistência aos antibióticos (há um ano em Genebra) revelou que todas as pessoas podem um dia ser afetadas por uma infeção resistente a estes medicamentos. O aumento da resistência representa “um imenso perigo para a saúde mundial”. Esta resistência “atinge níveis perigosamente elevados em todas as partes do mundo”.

 

A resistência ocorre quando as bactérias evoluem e se tornam resistentes aos antibióticos utilizados para tratar as infeções. Isto deve-se ao consumo excessivo de antibióticos e à sua má utilização.